sexta-feira, setembro 21, 2018

Para todos os rapazes que já amei


Durante as minhas férias para além de passear e tirar fotografias também tirei tempo para assistir alguns filmes e este foi um deles visto que ainda não consegui encontrar o livro.
O filme trata-se de uma rapariga que escreve cartas para os rapazes que já gostou, ela coloca os endereços deles, mas nunca teve intenções de mandar essas cartas a não ser guardá-las dentro de uma caixa que a mãe é que tinha dado.
Até que alguém descobre as cartas e começa a enviá-las para todos os rapazes.
Esses rapazes vão ter com ela a pedir satisfação, e mais não conto porque o filme é mesmo muito engraçado.
Eu sempre gostei deste tipo de filmes que passam-se na escola e conseguimos captar um pouco da sua rotina.
Apesar de eu querer ler o livro antes de ver o filme acho que o filme acabou por dar-me mais vontade de ler o livro porque já li por aí que o filme não foge muito ao que está no livro, mas eu gostaria de saborerar detalhadamente todos os momentos.

Espero que tenham gostado!

quarta-feira, setembro 19, 2018

A história dos meus patudos



Olá grandes sonhadores/as!
O post que eu trago hoje para o blog é o mais fofinho e amoroso de todos os tempos.
É sobre os meus gatos.
Acerca de 4 meses se não me engano eu tinha dois gatos, a Luna e o Apu, a Luna fugiu de casa acerca de 4 meses.
Ela pulou do segundo andar que é bem alto, eu ainda procurei por ela durante alguns dias, mas perdi totalmente a esperança.
Normalmente, nós mantinhamos as janelas fechadas, havia partes do dia em que abriamos para arejar a casa, mas nessa noite ela aproveitou o buraco que eu deixava na janela com o tubo da máquina de secar para fugir por aí.
Ás vezes eu penso que a Luna era um gato que não queria ser domesticado, ele já tinha fugido outras vezes, mas eu morava com outras pessoas e por mais que eu tentasse controlar as janelas abertas era muito difícil porque a casa em questão não era minha.
Existe uma história por trás do nome dele quando nós recebemos a Luna ele tinha cerca de dois meses, os testículos dele ainda não se tinham desenvolvido então achamos que era uma gata.
E acabamos por dar o nome de Luna por causa da Sailor Moon.




A Luna foi um gato que adaptou-se logo às condições da nossa casa só que como ele tinha vindo tão pequeno ele mordia muito quando brincavámos com ele ou tocavámos, e aí achamos que se trouxessemos outro gato para ele brincar talvez seria a resolução desse problema.
O nosso segundo gato foi o Apu, o gato branco e o nome dele veio de uma personagem dos the simpsons que eu gostava mesmo muito, era um indiano que tinha um supermercado.
Nós recebemos o Apu com 4 meses, ele veio cheio de medo e foi muito difícil ele adaptar-se  porque ele estava habituado a estar no campo.
Ele é um gato muito meigo, medroso  e muito mimado também.
Depois de Luna ter fugido ele mudou completamente começou a fugir menos de nós, mia mais, pede colo, brinca mais pela casa e está um gato mesmo muito querido.



Na minha casa por agora só tenho uma caixa de areia, compramos um bebedouro que mantém a água do gato mais fresca e nem tenho de preocupar tanto se tem água ou não pelo recipiente ser grande.
Como o Apu já é castrado eu dou-lhe da ração da Advanced Esterializado, esta é uma boa ração por não ser apenas de uma cor e tem os nutrientes necessários para manter o meu gato saudável.



Agora que sei como é cuidar  de animais, eu não abro mão do meu gato porque ele faz-me muita compania e ter gatos por perto faz toda a diferença.
Eu espero que tenham gostado da história dos meus patudos apesar da Luna ter decidido fugir e não ter voltado, apesar de não ter a Luna eu sinto que aprendi a gostar do Apu do jeito dele e sei que tenho uma compania que irei estimar durante a vida toda dele.

segunda-feira, setembro 17, 2018

As minhas peças de roupa do momento


Algum tempo que tenho andado a actualizar o meu guarda-fato, e isso consiste em desfazer-me de coisas que já não uso para dar lugar a outras.
Comprei esta blusa de ombros descobertos na loja online da H&M penso que estava a 7,99, escolhi em preto mesmo por ser básico e poder criar vários conjuntos com essa peça que é bastante gira.
Tenho adorado cada vez mais usar estas blusas porque acaba por valorizar os meus ombros principalmente se usar de cabelo atado, mas quando uso extensões fico completamente derretida como fica tão bem ao usar estas blusas.


A segunda peça são estas cullottes da Primark que apesar de eu não ser muito alta ficam-me muito bem e ficam bem acentuadas na cintura, e nada como um salto alto para deixar o look mais completo agora se quiser estar mais confortável eu uso umas sapatilhas ou sandâlias.
As Cullotes foram 11 euros.



Existem várias opções não é uma peça que tenha de ser usado de uma determinada forma.
Por últimos tenho usado estes sapatos bicudos, eu nunca gostei deste tipo de calçado, a minha mãe várias vezes usava-os e dizia que valorizava mais o estilo de uma mulher.
Acreditem que depois de uns anos assim que coloquei este sapato no meu pé achei que ficou perfeita principalmente quando eu uso outfits bem básicos.
Comprei pelo preço de 7,99€ se não estiver em erro porque já comprei algum tempo.

Espero que tenham gostado deste post!

quarta-feira, agosto 29, 2018

Um pedaço do inferno



Eu pensava que podia abraçar e beijar-te sem pensar que me sentiria como se tivesse de dar-te algo em troca porque eu estava perdida e confusa com vontade de afastar-te e mostrar-te como eu queria que as coisas entre nós tivessem acontecido.
Sinto-me um pouco frágil e preciso de dizer-te que eu preciso da tua gargalhada, preciso do teu humor negro porque sem esse teu jeito irónico custa-me terminar um dia.
Estava a lembrar-me de como gostava de sentir-te mesmo com roupa, a tua pele era linda, macia e cheia de história, mas eu gostava de sentir a tua roupa que mesmo sabendo que fumavas eu nem conseguia dar conta disso.
Procurava pelo teu beijo perdido na minha memória como aquele que deixava-me tão bem, mas que tirava-me do sério e fazia sentir-me como se estivesse á espera que me arrastasses para o inferno contigo.
Parecia que eu já estava á espera de ir para onde fosses, queria pedir ao inferno que desse um pouco dele, um pedaço teu, eu queria a ti, um pedaço do inferno, e queria que fizesses o meu corpo arder.
Estava á espera que batesses á porta e entrasses com vontade de encontrar-me nua sem mensagens e flores á tua espera apenas ali um corpo sem nada para poder dar-te tudo.
Confortava-me com a tua vontade de estar comigo enquanto os nossos sangues estavam controlados pelo alcoól ingerido sobre conversas sem pés e cabeça.
Quanto mais te conhecia sentia picadas pelo corpo sabendo que era perigoso estar contigo, mas eu estava tão disposta alimentar e acalmar esse teu olhar perdido que despia a minha alma só com as pontas dos dedos.
Temo que tenhas percebido tarde demais que não estaria por aqui por muito tempo, não estaria quando te apetecesse, não estaria a fazer as tuas vontades deixando a minha mente cada vez mais confusa mesmo sabendo que eras a cura para a minha dor.
Eu vejo um final bonito para os dois, o final em que seremos felizes onde estivermos.

sexta-feira, agosto 24, 2018

Amar o seu corpo é uma revolução




Já acordaste com vontade de fotografar o teu corpo em frente ao espelho?
Então do que estás á espera!
Eu tenho vindo a perceber essa minha vontade de namorar comigo, com o meu corpo, com tudo que é meu porque na verdade, é assim que tem de ser.
Tenho uma relação de amor e ódio com o meu corpo porque não é todos os dias que acordo plena, e mesmo quando não estou bem e estou na rua passando pelas vitrines das lojas tenho sempre aquela tentação de ver como está o meu cabelo ou o meu corpo em movimento, acho lindo.
Este ano tive tempo e dinheiro para fazer uma viagem da minha vida, uma viagem que deu para relaxar e limpar todo o pensamento tóxico que navegava na minha mente.
Aproveitei também para fotografar muito o espaço á minha volta assim como o meu corpo porque quando eu queria relembrar-me das minhas outras viagens eu percebia que não fotograva a mim num espaço porque tinha vergonha de ver os meus braços gordos, as minhas pernas enormes e as bochechas que destacavam bem a minha cara de bolacha.
Comecei a ficar triste porque apesar de ter estado naqueles lugares eu não tinha uma recordação para mim nem que fosse apenas para dizer:" meu deus, quem diria que eu estive nesse sítio".
Pois é, este ano decidi fazer tudo o que não fazia antes e uma delas fotografar-me nos lugares onde estive mesmo estando acima do peso ideal.
Eu escolhi ser feliz, escolhi não abster-me de viver um momento pelo o medo ou o preconceito.
Se foi a melhor escolha que fiz?
Claro que foi porque estou com o coração completo de amor próprio, felicidade e plenitude.
Com tudo isso quero dizer-vos para não deixarem de fazer algo por causa do medo que está dentro da vossa cabeça apenas sorriam e digam "cheese" e coletem muitas recordações mágicas do lugar onde estiveram e não de como naquela altura o vosso corpo estava que isso é o menos importante.
Ás vezes penso numa frase em alguém que conheço diz:" Eu nunca mais vou voltar a ver estas pessoas", por isso não vamos deixar de viver aquele pequeno momento do qual nunca saberemos se um dia poderemos voltar atrás ou estar naquele lugar.


Espero que este post vos tenha feito pensar!
Beijinhos!