sexta-feira, setembro 20, 2019

Nossa pele sem luz


Estava impossibilitada de amar, mas eu sabia que estava a um pequeno alcance de amar-te  como deverias ser amado.
Parecia estar pronta e destemida a partilhar desse momento que deixava-me ansiosa, por um lado estava viva.
Tão viva que no meio de uma guerra na minha mente, eu escolhia sempre amar-te.
Persistia com a minha mente de que não sentiria saudades do teu beijo, mas eu beijava a tua boca e não conseguiria parar mais, era como se todo o meu corpo desligasse em favor desse desejo.
Ainda não sei como amar-te nem sei se mora um sentimento como amor dentro de mim e se alguma vez irei voltar a sentí-lo.
Apesar que, eu sinto os teus lábios tremerem quando sabem que irão guardar o meu sabor, dás-me o abraço mais apertado como se não soubesses mais medir a força dessa vontade.
As nossas trocas de olhares contam as fotografias guardadas nas nossas memórias.
Não quero lembrar-me da tua pele na minha porque começo a perder a conta de vezes em que estiveram tão vulneráveis.
Ás vezes em que a nossa pele sem luz, brisa e melodia faz uma história enquanto estavam guardadas uma para outra porque se era sim o seu fim, finalmente encontraram-se.
Por mais que queira gritar ao mundo o quanto amei o seu cheiro, a maciez de um corpo que prometi tocar-lhe enquanto estivesse comigo também quis guardar do mundo para que fosses só meu apenas meu.
Sempre detestei as manhãs que despertavam e saberia que todas as horas de madrugada em quatro paredes preenchidas sussurrando o teu nome, dizer-te que te amava enquanto fazíamos amor, eu queria que guardasses a minha voz dentro de ti caso um dia a perdesse para a minha solidão.
Detestava as manhãs porque sabia que tinha de despedir-me de ti, mais uma vez para o mundo real aquele que nos manteria de corpos distantes e mentes contaminadas de memórias.
Enquanto procurava por um amor pensava no teu sorriso poderia não ser o mais deslumbrante, mas o que trazia aconchego aos dias em que sentia uma profunda tristeza.
Lembrava-me do teu olhar perdido em cada detalhe meu pronto para dizer-me o que eu queria ouvir da forma mais sincera.
Mantia-me focada na saudade que insistia que não sentia assim tanto,mas quando estava contigo ela despertava ainda mais.
Ao deitar queria adormecer a olhar no teu ar sereno, num pensamento distante de mim mesmo quando os nossos corpos se abraçavam, mesmo quando ao acordar eu sabia que estavas ali á espera que eu acordasse.
Para amar-me pela manhã e falar a primeira frase e única que eu precisaria de escutar:" eu amo-te".

terça-feira, setembro 10, 2019

Paralisada


Estava sentada na janela do meu quarto olhando para rua, já tinha perdido o tempo e não fazia ideia a quantos minutos, segundos, horas, dias, semanas, meses ou anos eu estava aqui.
Estava paralisada no tempo em que realmente fomos felizes e que não entendemos no quanto tinhamos crescido juntos e estavámos consumidos pelo sabor do nosso beijo e a ternura que vivia presente no nosso olhar.
Tinha saudades do tempo em que sabia que erámos perfeitos um para o outro até destruirmos tudo sem sequer pensar que estavámos a desgatar cada minuto de promessas e uma felicidade que parecia infinita.
As saudades prendiam-nos e nós fomos morrendo juntos até o dia em que não fazia sentido olhar mais para o que construímos juntos.
As paredes do meu quarto deixaram de ser brancas para um dia acordar, e perceber que a luz que eu não deixava entrar nelas tinha partido com o tempo em que esgotavámos a tentar consertar algo que não estavamos dispostos.
O meu quarto tornou-se cinza e a minha janela estava embaciada pelas lágrimas que derramei, e a minha respiração que mantia-se ofegante por saber que não aguentava mais a dor que levava comigo.
Questionava-me onde poderia estar o meu coração porque passei mais tempo a querer cuidar do teu como mantê-lo forte e intocável até o dia em que meu coração deixou de bater.
Permanecia paralisada sendo engolida pela lama da mágoa que causamos um ao outro, e quando pensava que estavas lá para agarrar a minha mão apenas via a tua imagem perfeita desvanecer dos meus olhos.
Não tinha voz suficiente nem força para salvar-nos porque vivia com medo da possibilidade de poder a ser feliz mesmo que tivesse que caminhar sozinha sem ti.
A culpa de tentar ser feliz quando apenas conseguia ver uma vida inteira do teu lado.
Cresci para perceber que tinha de deixar-te ir porque eu estava sozinha, sonhando e afogando o tempo num oceano cristalino para dar-me mais tempo.
Precisava de tempo...
Não foi o suficiente quando quis alcançar as ondas elas tiraram-me a possibilidade, para dizer-me que não conseguias amar-me mais talvez nunca mais.
Tempo para poder florir de novo e saber que não estarás lá para cuidar do nosso jardim que estava cheio de ervas daninhas.
Continuo paralisada e com medo, mas caminho em direcção da minha felicidade merecida.
Eu mereço ser feliz.

terça-feira, agosto 20, 2019

Suspiro profundo



Procurava estar dentro da tua alma conturbada para pelo menos eu poder entrar e deixar o equilíbrio resistir ao sentimento que temos guardado.
Suspiro fundo por ainda saber que entre as memórias lindas que guardo de ti, uma delas é quando eu agarro-te na cintura e nos beijamos, na simplicidade de um gesto onde o sentimento é forte e resistente.
O sabor do teu beijo misturado com a brisa que deixa uma leveza no meu corpo, e na minha boca como se os meus lábios precisassem de viver hidratados com a tua saliva gostosa que já vive dentro de mim.
Estou apaixonada por um beijo e também por uma mente cuidadosa que quer-me por perto, uma mente que transborda de amor e uma mente que deixa saudade.
A minha saudade é meio doentia acho que queria viver no teu peito, eu não me importo de fazer as malas e voar para os teus braços e lá ficar abrigada do medo, das minhas inseguranças e dos meus pecados.
Aqueles que com o tempo tens conseguido aliviá-los.
Como poderei falar em pecado, se tu estás nele comigo? 
Um pecado malicioso que faz o meu corpo entrar em pequenas dimensões ainda não descobertas e libertar-se por múltiplas estrelas chamadas de orgasmo.
No teu corpo, um dia nunca será o suficiente para fazer-te sentir tudo o que sinto.
Uma música, nunca será o suficiente para conseguir acabá-la e romantizá-la ainda mais.
Um beijo, nunca poderá ser o último.
Um abraço, nunca irá deixar a marca suficiente do meu sentimento bonito e desassogado.
Uma noite de amor, nunca será suficiente para dar-te todo o prazer merecido.
Na minha palavra, guardo a gratidão de poder estar presente na honestidade, sinceridade e num futuro próspero de dizer-te que eu quero estar aqui e continuo na procura da tua alma para poder entrar e por lá permanecer.

domingo, agosto 11, 2019

Ida ao Cristo Rei


Olá grandes sonhadores/as!
Nestas minhas férias de verão estava bem decidida a fazer uma lista de coisas que nunca tinha experimentado e que tinha mesmo muita curiosidade, e uma delas era visitar o santuário do Cristo Rei.
Depois de tantos anos apenas observar o Cristo Rei de longe e imaginar como seria a vista lá em cima decidi finalmente visitar.


Apesar de ter outras crenças, eu acredito em Jesus Cristo e sei que aquele lugar é bastante sagrado e importante para as pessoas que acreditam em Deus.




Toda a experiência foi fantástica e senti-me bastante calma enquanto estava lá em cima, e claro que acabei por fotografar todos aqueles momentos porque eu sabia que precisava de guardar uma boa recordação por lá estar.




Mas a melhor parte de tudo foi definitivamente como eu senti-me quando saí lá, eu senti-me satisfeita e feliz por riscado mais um item da lista de coisas que nunca fiz.

Espero que tenham gostado da minha partilha e espero continuar a trazer conteúdo para o meu blog. 

domingo, agosto 04, 2019

Queria falar ao sol



Queria falar ao sol para hoje não nascer 
Para poder criar uma história sem me aperceber,
Fugir para um lugar
Onde só queria estar e recordar,

Queria falar ao sol para hoje não nascer
Pisando mil caminhos para te receber,
Folheando o meu livro
Esperando poder vivê-lo contigo

Queria falar ao sol para hoje não nascer
Podendo amar sem te poder ver,
Deixando a nossa saudade florir
Para depois do nosso amor poder partir

Queria falar ao sol para hoje não nascer
Para no teu pensamento desvanescer,
Para as minhas últimas palavras guardar
E todos os dias pacientemente por ti esperar.