quarta-feira, novembro 13, 2019

Até que a morte nos separe



Estava o meu cigarro na boca e enquanto travava o fumo para poder libertar aquela toxina que estava a mergulhar para os meus pulmões ficava distraída a observar os passos de outras pessoas, focava nos seus sorrisos e tentava não pensar na minha desgraça.
Eu queria deixar de pensar no quanto aquele cigarro estava a matar-me aos poucos e poucos sem eu me aperceber, e lembrava-me da quantidade de vezes que respirei perto do teu pescoço quando achava que estava segura no teu peito.
Contava-te as melhores e as piores histórias que tinham marcado a minha vida, ás vezes as horas passavam e amanhecia, eu pensava como era feliz por contar-te tudo sobre mim.
Por vezes, chorava e enxugavas as minhas lágrimas e dizias-me como o mundo era injusto, e que juntos iríamos vencer o mundo enfrentando tudo e todos. 
Ultimamente, as minhas lágrimas são profundas demais para quereres decifrar ou até mesmo quereres enxugar, passavas por mim vezes sem conta sem te aperceberes que essas lágrimas escondiam os piores momentos que passamos juntos.
O cigarro não estava a matar-me, mas sim a ideia que ficaria contigo até que a morte nos separasse.
Ns nossos amanheceres fazíamos as promessas e pedíamos um ao outro para não deixarmos de nos ajudar quando um de nós caísse no abismo.
Nos piores pesadelos fui assassinada por ti, nos meus piores pesadelos senti medo das tuas palavras, nos meus piores pesadelos eu não tinha um demônio sentado no meu peito apenas via o teu olhar carregado de ódio pronto para deixar-me sufocar vezes sem conta.
E quando acordava desses pesadelos eles eram bem reais, sentia o teu toque, sentia o teu beijo que de um tempo para cá deixou-me de tranquilizar.
Sentia falta de poder deitar na minha cama sem sentir o pesar da minha respiração descontrolada, o soluço entalado na minha garganta como se tivesses tido escolha de tirar-me o ar para eu poder respirar.
Eu queria respirar para continuar a poder ter certeza de que não estavas a escavar a minha própria cova com todas as forças que tinhas.
Deixava de ver os raios de sol que traziam um pouco felicidade quando tu estavas ali para acabar com a minha voz e o meu corpo mergulhar num sono anormal.
Tinha medo da ideia desse sono anormal como aqueles sonhos em que corres para alcançar algo, mas tem alguma um ser sobrenatural que puxa
-me para trás, e quando estou a pensar que estou a chegar ao final descobri que tu tinhas uma arma carregada para disparar 4 vezes contra o meu coração.
Sinto frio e não há nada que aqueça o meu corpo, posso gritar por ajuda, mas tu não estás lá para ouvir-me, posso pedir por um abraço, mas recebo um aperto mais gelado que aquele abraço quente só uma mãe sabe dar.
Estou a congelar vendo as tuas palavras a desvanecerem com o tempo, tu estavas ali para abandonar-me.
Não sabia se estavas ali para matar-me de uma vez por todas ou ver-me sofrer aos poucos porque eu sei que o teu ponto forte era torturar-me, e depois deixar-me ali vendo os meus olhos deixarem de ver luz.
Os meus pensamentos estavam a lutar contra o meu coração iam ficando cada vez maiores e perigosos, eu estava a chegar ao final da nossa linda viagem.
Não queria perder-te e punha-me de joelhos pedindo que parasses, eu queria tanto que parasses, eu queria que ouvisses mais uma vez, eu queria que tivesses me amado mais que uma vez, eu queria que não tivesses desistido e nem planeado o meu fim, eu pedia perdão, mas as balas fizeram congelar por nós, e o meu corpo voar para o lado oposto do teu corpo.
A primeira bala foi por querer-te demasiado ao ponto de esquecer-me que eu existia.
A segunda bala foi por todas as vezes que deveria ter deixado ir embora.
A terceira bala foi todas as vezes que não perdoaste as minhas falhas, e mesmo assim quiseste lá ficar.
E a quarta bala foi por um amor prometido e que mesmo assim não foi o suficiente para durar.
Acabaram as quatro balas, e já consigo ver finalmente o meu descanso tão esperado até que a morte nos separe.

segunda-feira, outubro 28, 2019

4 coisas que fazem sentir grata



Olá grandes sonhadores/as!

Eu tenho andado a pensar nas coisas que fazem sentir grata todos os dias em relação á minha vida e poder concentrar-me nessas coisas sinto que faz-me muito bem.
Não consegui resistir e decidi partilhar 4 coisas que fazem-me sentir muito grata e feliz:

1- Estar com as pessoas que gosto, é óbvio que esta é das coisas que faz o meu coração cheio e grata por conhecer pesoas incríveis.
Que fazem sentir bem, preocupam-se com o meu bem-estar, gostam de tirar de casa para fazer alguma coisa e que demonstrem o quão bom é estar comigo.
Mesmo as amizades que tenho online, estou grata por ter conhecido pessoas tão inteligentes e positivas que só fazem crescer, e cada vez  mais partilham os seus ensinamentos vida, e são essas pessoas que eu sei e quero manter por perto.

2- Poder estar e visitar outros lugares, eu adoro ter oportunidade para conhecer outros lugares principalmente , na gastronomia.
Uma das coisas que mais adoro é comer, e se puder comer comidas diferentes, tudo torna-se mais divertido.
Os meus amigos já sabem que uma saída para mim complementasse com uma boa comida, e fico sempre muito grata em conhecer mais um lugar.

3- Ter um trabalho( poder pagar as minhas contas).
Sempre quis ser dona do meu nariz e poder ter as minhas coisas,
Eu sei como depender de alguém é difícil, e que ás vezes temos que ouvir o que não queremos ou ter uma certa liberdade.
É verdade, que nem todos os dias apetece ir trabalhar, ás vezes o mais difícil nem é o trabalho é o facto de lidar com tantas pessoas duante 8 horas.
Apesar disso, sinto-me grata por ter a minha casa, ter acabado a carta de condução e agora a minha última conquista, finalmente comprei o meu primeiro carro.
É o facto de poder pagar as minhas contas e não dar satisfação a ninguém que é libertador.
E eu sempre procurei esse lado da liberdade para poder viver em paz.

4- Estar viva, eu já tive uma adolescência um pouco conturbada e tomei muitas decisões erradas como ter colocado a minha vida em risco diversas vezes, mas fui aprendendo e da pior maneira que a vida ensinou-me que eu tinha de estar viva e presente para as pessoas que me amam.
Tenho dias em que estou triste, mas tento não ir abaixo ao ponto de desistir da minha vida, e é nesse caminho que pretendo manter.

sábado, outubro 26, 2019

Se eu ainda pudesse respirar...



Se eu ainda pudesse respirar aprenderia a sorrir com vontade.
Se eu ainda pudesse respirar colocaria a minha voz no caminho certo dando força aos que tem seus corações empobrecidos.
Se eu pudesse respirar daria amor ao meu corpo como o meu único bem sagrado e precioso.
Se eu pudesse respirar faria com que um beijo apaixonado valesse como um minuto de silêncio a ser enaltecido.
Se eu ainda pudesse respirar passaria mais tempo calada do que já posso deixando a razão e a justiça agirem por si só.
Não sou perfeita, nem quero permitir-me dessa desgraça.
Tenho vagas inspirações que fazem de mim uma pequena estrela nesse céu infinito.
Se eu ainda pudesse respirar buscaria estar com boas pessoas, boas companhias, boas energias, boas vibrações, pequenas almas que tornariam a minha uma alma melhor.
Não quero deixar de respirar, não quero partir sem o mundo poder apreciar-me por inteiro e acabar por cumprir a minha missão cá.
Se eu ainda pudesse respirar escolheria viver e ser feliz.

O que eu ando a escutar em 2019

Foto por Stas Knop- Aplicação Canva


Olá grandes sonhadores/as!
Algum tempo, que não publico nada sobre música, e eu sou uma amante de música.
O ano 2019 foi um ano de grandes lançamentos apesar de eu ainda estar á espera do álbum da Rihanna, como os fãs dela parece que vou continuar assim, " em espera".
Uma das minhas artistas do momento lançou um álbum lindíssimo, estou a falar da Sabrina Claudio.


Ela lançou o álbum com o nome de "Trust is", eu amo todas as faixas mesmo todas, mas existem sempre aquelas músicas que mexem conosco.


As músicas que mais gostei foram "Trust is", que é o nome do álbum, gostei muito da música dela com o Zayn chama-se Rumores, é aquele tipo de música que descreve muito bem o interesse de terceiros nas relações alheias, como ela diz na música " ela disse, ele disse", e na verdade, ninguém tem nada haver com as relações dos outros.


A música "Problem with me", também achei esta música lindíssima, eu gosto muito da voz da Sabrina Claudio porque é muito sensível e relaxante ao mesmo, e quando eu escuto as músicas dela eu admito que eu sinto-me muito mais mulher.


O próximo álbum que vou falar é do Slow j " You are Forgiven", para quem conhece ele é um artista português e cada ano que passa eu vou gostando mais do trabalho dele porque ele é um artista que não limita-se a fazer rimas, ele simplesmente faz arte.



Ele é capaz de juntar sentimentos e ritmos diferentes numa só faixa, e é verdade que as músicas dele fazem-me pensar muito no que eu quero para o meu futuro.


Depois desta introdução ao álbum do Slow j, posso dizer que a música preferida do álbum é a primeira delas todas chama-se " Também Sonhar", com a Sara Tavares foi simplesmente a melhor junção de sempre.


Esta música aborda muito sobre da busca pelos nossos sonhos e a tentar fazermos o que mais amamos, estar com quem realmente queremos e fazermos esta vida valer a pena.
Na semana passada, ele lançou um Behind the scenes desta música no canal dele de YouTube, e simplesmente achei genial ver e perceber como as músicas são feitas e quem está por trás do instrumental, toda a equipa que trabalha e faz com que a música seja um grande sucesso.
Link do vídeo do behind the scenes, caso tenham curiosidade.
A próxima artista que nunca desilude é a Lana del Rey. Com um álbum mais adulto de sempre com o seu lado melancólico, mas foi um álbum pelo qual, eu não sofri assim tanto.


Este álbum chama-se " Norman Fucking Rockwell".
Digo não sofrer porque os álbuns anteriores da Lana eram bastante profundos e fizeram-me chorar faixa por faixa.


Deste álbum, a música que despertou a minha atenção foi " Fuck it I love you".


Das artistas que falei, os álbuns estão disponíveis no Spotify antes eu não ligava muito a esta plataforma, mas desde que descobri o Spotify premium passei a escutar músicas com mais qualidades e sem anúncios, e mediante os artistas que eu oiço, o Spotify avisa quando há um novo lançamento.
Se não conheciam nenhum destes artistas, eu convido a tirarem um pouco do vosso tempo e a escutar cada álbum.
Espero que gostem!

domingo, outubro 13, 2019

26 anos : estou orgulhosa de mim



Sim!
Eu acabei de fazer 26 anos e ainda não estou em mim, eu não acredito que já estou assim tão mais velha.
Não acredito que tenho 26 anos porque eu até acho que não tenho maturidade suficiente para chegar aos 30, mas realmente não sei o que é ter maturidade para chegar aos 30, há quem diga que apartir daí passamos a viver mais e mais.
Quis fazer este post porque eu tenho andado bastante pensativa e a pensar em todos os pontos importantes da minha vida como as coisas que eu conquistei na minha vida e nas pequenas desilusões que fui tendo durante o caminho.
Este ano foi um ano difícil tanto emocionalmente como psicologicamente porque dei término a minha relação de 4 anos com alguém que eu gostava muito, e foi algo muito complicado de saber lidar assim como aprender a viver e estar sozinha comigo própria.
Talvez para quem segue as minhas redes sociais deve ter achado estranho as minhas publicações ultimamente, mas eu acho que com o passar dos dias eu vou florescendo e descobrindo do que eu sou capaz e de que eu mereço ser feliz, encontrar a minha paz e o meu amor-próprio.
Apesar de este momento triste, sempre consegui acabar a minha carta de condução em Março, e desde aí foi um desafio conseguir comprar um carro.
E no final do mês de Setembro consegui comprar o meu primeiro carro, admito que ainda não tinha caído em mim enquanto não entrei no carro e senti a liberdade de que eu tanto esperei.
Este ano tem sido uma completa descoberta em que abri a minha mente e estava disposta a conhecer outras pessoas, a tomar alguns riscos assim como tentar não ligar tanto as opiniões dos outros( porque eu logo demasiado, não é normal).
Ás vezes deixo de fazer algo ou falar algo com medo do que possam pensar de mim, mas já caí na realidade e percebi que mesmo que faça ou não faça nada as pessoas vão sempre falar, e todo esse compilar de situações más pelas quais passei contribuiu para as minhas crises de ansiedade.
Infelizmente, eu este ano fiquei a saber que sofro de ansiedade e tenho tentado controlar os meus pensamentos porque eu acho que esses é que são os responsáveis por muitas vezes não estar bem.
Aos 26 anos, tenho focado em estar com os meus amigos e amigas e dizer-lhes o quanto eu gosto deles e quanto eu quero estar com eles porque eu sei que os nossos amigos acabam por ser tudo nos bons e nos maus momentos.


Eu estou muito feliz nesta fase da minha vida apesar de tudo e espero continuar a conquistar os meus sonhos e dar mais sentido ao nome do meu blog que é grande sonhadora porque eu sou uma caçadora de sonhos e agora vou procurar por mais e mais.


EVANGELINE © 2016 | Template by Blogs & Lattes