terça-feira, 25 de julho de 2017

Não demorou muito para vires



Finalmente em casa!
Posso tirar estas calças de ganga que apertavam-me o dia inteiro, posso tirar o soutien e libertar as meninhas para esta noite de solidão.
Vou direta á garrafeira e abro o melhor vinho que tenho por lá e faço um brinde a mim própria, não beberei dois copos de vinho, mas sim muitos mais porque eu mereço.
Pareço meio alcoólatra, mas eu serei sempre meio qualquer coisa.
Vou abrir as cortinas do meu apartamento e fazer um show para ti, vou dançar lentamente sentada nesta cadeira de cabelo solto e contorná-la como se estivesses aqui sentado á espera de mais uma loucura minha.
Lá estou eu a chamar por ti, lá estou eu a puxar por ti mais uma vez.
Não demorou muito para a minha campainha tocar e saber que serias tu  a querer dizer-me algo invés de ficares especado assistires a dançar como uma dançarina de cabaré.
Abri a porta e consegui ler nos teus olhos que eles não só queriam os meus, mas entraste invadindo a minha casa e invadindo os meus lábios.
Abracei-me ao teu corpo, elevaste as minhas pernas e colocaste contra a parede, preferiste fantasiar todas as minhas paredes sem quadros com a tua sede de ter-me.
Peço que me coloques no chão e que venhas até ao meu reinado, atiro-te para a cama e vejo teu corpo transbordar numa paz e uma satisfação que eu nunca tinha visto da tua parte.
Já um pouco tonta por conta do vinho tento tirar-te a roupa mesmo desajeitada e deixo-me cair sobre a tua pele macia, quente, precisando de desejo, carinho e afogar algumas mágoas.
Estou a perder-me no teu pescoço não deixo de beijá-lo e imaginar em todas as oportunidades que tive para beijá-lo quando estivemos juntos no elevador do nosso prédio.
Os elevadores não servem apenas para silêncios perturbadores, mas também para explorar o amor...
Perco-me em gargalhadas enquanto a respiração que atravessa os meus lábios deixa os teus mamilos completamente arrepiados precisando de quentinho.
Imaginava tantas vezes deixar-me ser apanhada por ti, e agora que estamos aqui depois de tanto tempo quero mostrar-te o que eu sinto, quero dar-te o que não estás habituado a sentir.
Quero fazer amor contigo, não quero magoar-te, não quero ser louca, apenas estou tão contente por estar aqui e que só preciso de mostrar-te como chegares ao climáx sem te aperceberes.
Quero que oiças isto antes que me esqueça o que tenho para dizer-te:
" Todos os dias caminhamos juntos para o trabalho para prédios diferentes, mas quando vejo-te no meio daquela multidão apago toda gente da minha mente e só consigo ver a ti. É como se naquela rua só existisse apenas nós os dois, por vezes tento apressar a minha passada na esperança de poder chegar perto de ti, mas parece que existe uma força maior que nós e bloqueia-me todo o caminho.
Apenas fico ali observar-te de longe enquanto mordo os meus lábios e oiço a minha música, vejo como ergues a mão ao cabelo e jogas para trás, elevas o cigarro aos lábios,  deixas o fumo fluir lentamente, e por fim, molhas os lábios como se tivesses acabo de beijar-me."
Toda essa imagem na minha manhã dá para chegar em casa e querer a tua atenção porque eu sei que fazes tudo para captar a minha.
É isso que faz voltar para casa, beber um vinho, abrir-te a porta e descontrolar-me mais uma vez porque com o teu corpo a minha frente é impossível ver limites.


Imagem retirada do Tumblr


Sem comentários:

Enviar um comentário