terça-feira, maio 21, 2019

Amores imaginários

Poderia estar prometendo uma vida de felicidade e amor do meu lado, mas eu não sou esse ser perfeito.

Eu sei que os meus lábios parecem os mais apetecíveis para serem beijados, eu sei que os meus olhos grandes e expressivos deixam inquieto e nervoso sem saber como terminar as frases, eu sei que o meu corpo não é um corpo padrão, mas é um corpo quente e pacífico procurando o teu toque mesmo quando as tuas mãos resistem.

Numa outra dimensão, eu estaria esperando para ser feliz do teu lado sabendo todas as nossas diferenças, os nossos receios, as nossas batalhas, as nossas expressões faciais para cada situação e o nosso jeito de ser quando estamos juntos.

Numa outra dimensão, queria estar no profundo da tua mente queria descobrir até o que não poderia vir a gostar em ti.

Queria despir a minha pele imperfeita usada como escudo para veres como sou frágil como podes quebrar-me sem muito esforço.

Queria fornicar a tua mente com desejo, tempo e poder admirá-la como uma única obra de arte, não queria ter o completo controlo dela como eu tenho do teu corpo.

Neste momento, sinto que o meu pescoço é apertado pelas tuas mãos com essa tua maneira de embelezar e elogiar todos os meus passos, e vou sabendo que não devo acreditar mais em ti porque tu não existes, és uma criação perfeita da minha imaginação.

Apaixono-me por um futuro indefinido, apenas passo a maior parte do tempo a sonhar contigo, a imaginar como seria estar perto demais.

Também desapaixono quando penso em mágoa, nas dores deixadas no meu peito, uma mente destorcida e um amor perdido em tão pouco tempo. Não saberei dizer se é amor, mas estava sempre na expectativa de ser levada para a lua, sentir um perfume diferente, ser abraçada sem esperar por esse aperto que levaria a outros lugares.

Não saberia dizer o que estava a faltar em mim para procurar-te tanto mesmo quando não queria que voltasses para mim porque eu sabia que tu não eras meu e que haverias de pertencer ao corpo de outra mulher.

Rodeada de uma cruel felicidade sofro com a tua ausência, com a tua forma destemida de abandonar-me e deixar-me sozinha neste quarto gelado.


domingo, maio 12, 2019

Tristeza, Ansiedade e Insegurança



Triste e com ansiedade como se estivesse com um nó no meu pescoço como se alguém fosse apertá-lo até eu deixar de respirar.

Sinto-me um pouco farta de ás vezes ter de andar camuflada com o meu silêncio e a minha tristeza.

Ás vezes eu penso que as pessoas estão a olhar para mim, estão a falar de mim.

Também já pensei que esse sentimento pode ter sido enraizada em mim em alguma altura da minha vida e que agora que estou mais crescida não consigo deixar de ser assim.

Por vezes, travo batalhas dentro da minha mente que estão a levar a um esgotamento total.

Acho inútil, o fato de por vezes eu deixar de fazer algo, querer estar com as pessoas que gosto, criar momentos e lembranças com o medo do que as pessoas vão achar como se o julgamento deles fosse o mais importante que a minha própria vida.

Não consigo libertar-me das dores que certas pessoas deixaram na minha vida talvez inseguranças que elas nem imaginam, eu vivo todos os dias e luto para durante esses dias consguir ignorá-los até nos meus pensamentos, mas admito que não tem sido nada fácil.

Depois desse medo vem, o facto de sentir desmotivada principalmente sobre as coisas que eu mais amo fazer como escrever ou até mesmo cozinhar.

Tenho adorado fazer desporto, mas nem sempre gostei, mas também não apetece-me estar deitada e parada.

Tenho tantas ideias que correm na minha cabeça, mas não tenho vontade de colocar nenhuma em prática.

Chego noutro patamar, a raiva, e tento encontrar múltiplas formas de descarregar a raiva dentro de mim não em mim nem em outras pessoas apenas preciso de viver em paz com o meu corpo e a minha mente que parece bastante frágil.

Tudo isto acaba por estar associado ao medo do que as outras pessoas hão de dizer e eu não quero viver anos com medo de pessoas, com o medo de falar ou poder ser eu mesma.

Acho de coragem as pessoas que dizem não se importar, ou dizem:"caga nisso".

Quando na verdade mora dentro de nós um pouco dessa insegurança.