domingo, junho 17, 2018

Um amor simples



Eu precisava de sentir o teu ombro de novo como se fosse a primeira vez que eu tivesse encostado nele como um um sinal que eu te amava.
Eu fiquei a saber que eu te amava, eu amo-te e aprendi que tinha de dar-te a mão para percorrermos este caminho juntos.
Eu percebi que não queria ser nem a primeira nem a tua última inimiga, na verdade, eu queria ser o teu primeiro e último amor.
Eu queria que voltasses a sorrir, a ser feliz e aprender como um amor pode continuar vivo apenas na simplicidade.
Eu... eu... eu...
Quer dizer nós somos mais que amigos, somos namorados, somos companheiros, somos tudo aquilo que não imaginamos que poderíamos ser.
Apaixonar-me todos os dias por alguém não é fácil, mas quando paro para pensar que eu tenho uns bons anos recheados de momentos contigo não consigo deixar os maus momentos e as nossas fases más cubram um amor que ainda existe.
Eu persisto em ter-te na minha vida, tenho medo, tenho receio de doer muito sem um dia magoares e eu não aguentar mais, mas eu sei que nesse dia mesmo te amando terei de deixar-te ir para voltar a me amar.
Sinto que estou certa e que não sou ninguém nesta vida para não dar-te uma nova oportunidade de acabarmos de escrever a nossa história.
Para mim basta que queiras estar aqui porque nada te obriga,e que sejas feliz e amado de volta.

1 comentário