terça-feira, fevereiro 20, 2018

O teu porto seguro



Estava sentada num café ficava por baixo da ponte.
Apenas estava ali observando o dia-a-dia das pessoas sempre muito corrido, eu corria os meus dedos pelo meu livro favorito, bebia um chá de Camomila que deixava ainda mais tranquila e segura de que tudo iria correr bem.
Escutava música para estar um pouco desligada daquelas conversas negativas que não alimentavam nada para a minha rotina.
Assim que entraste, sentaste, perguntaste-me como estava e colocaste as tuas mãos geladas sobre as minhas fazendo sentir a temperatura que estava lá fora.
Eu era tão feliz com o teu sorriso maroto que deixava sempre sem palavras e abrigava o meu coração com um calor inexplicável.
Não conseguia tirar a ideia de poder ter as tuas mãos no meio das minhas pernas fazendo sorrir, gargalhar e querer morrer tendo horas de prazer contigo.
Levei-te para a minha casa onde podiámos sentar-nos apenas com umas mantas em frente a Lareira acompanhando uma garrafa do Vinho Douro, o teu favorito.
Enquanto estavas a preparar o nosso jantar com tanto carinho fui ao meu quarto vestir uma camisa de noite para poder estar mais confortável e poder seduzir-te.
Na verdade, queria que a tirasses.
Com o teu jeito carinhoso afastaste o meu cabelo deixando os meus ombros expostos, já conseguia sentir o teu beijo na minha orelha sentindo o cheiro do meu cabelo.
Estavamos no cenário perfeito apenas queria deixar-me levar pelo teu carisma, o teu jeito maduro de mexer com o corpo de uma mulher.
Queria tanto ouvir-te sussurrar no meu ouvido aquelas palavras nada dóceis meio bruscas e exitantes como se tivéssemos todo o tempo ao nosso favor.
As tuas mãos percorriam a minha camisa de seda parecendo que já estavas dentro da minha pele.
A neve caia lá fora e batia nas janelas, mas eu estava vidrada olhando para os teus olhos que pediam pelo meu amor também.
Os nossos corpos entraram em conxeão fazendo o meu pensamento voar e levar-te a um campo cheio de árvores que libertavam folhas de cerejeira.
Era tudo tão lindo e pacífico que entre os movimentos repetitivos dos nossos corpos estávamos a viver momentos de prazer com a melhor vontade de todas.
Amei-te naquele momento e quis amar-te ainda mais.
Quis deixar o meu orgasmo fluir nos teus lábios com o aroma do vinho que perdiasse nos teus e pedi-te para ficares mais um pouco.
Só eu sei como precisavas de permanecer entre o gemido que ecoava da minha boca com a combinação da madeira a estalar devido ao frio que fazia lá fora.
Sempre estive pronta para receber-te, sempre imaginei que o nosso momento seria assim.
Sempre imaginei que após eu estar contigo o mundo entraria em paz.
Fechei os olhos e acordei abraçada a ti, esquecemos que tinhamos um jantar num lume e deixamos queimar.
Decidimos encomendar uma pizza e desfrutar dela nus conversando sobre tudo e abraçando cada minuto junto um do outro.
Irei esperar por momentos como estes para o resto da minha vida porque eu mereço e quero ser o teu porto seguro.

2 comentários

  1. Gosto tanto destes teus textos!
    Parabéns!
    Beijinhos! ��
    https://anitaeseussonhos.blogspot.pt

    ResponderEliminar