segunda-feira, fevereiro 26, 2018

Não te vejo como um troféu



Vi-te no meio do carnaval encostado a um muro com uma cerveja fresca na mão e na outra fumavas um baseado e fazias parecer divertido ou até mesmo sensual.
Não precisavámos de conversar muito apenas ficavámos horas a seguir todas as passadas um do outro fazendo um ter mais curiosidade e desejo de fugirmos para um lugar qualquer e estarmos juntos.
Estava tão feliz por ter perdido tantos amores na minha vida para poder ter-te, não que te veja como um troféu, mas sim a melhor conquista delas todas.
Eu tenho sorte por teres estado sempre no meu caminho.
Agarra na minha mão, encosta o teu peito no meu, cola o teu rosto no meu, levanta a minha blusa e sente o meu calor, dança comigo, diz-me que esta tarde irás viver na minha cama, no meu apartamento e espalharmos toda purpurina nos meus lençois.
É tão sensual a forma como mostras que queres estar aqui comigo rebolando no meu chão com um sorriso nos lábios fazendo com que a vida seja cheia de coisas maravilhosas e valha a pena vivê-las.
Eu não quero apenas foder-te e dizer-te coisas que gostas de ouvir e sentir, eu quero ouvir-te, quero rir contigo, quero passar um pouco do teu baseado nos meus lábios, puxar e deitar o fumo para fora e ficar parada no tempo entre pensamentos e grandes lanches que vem por essa noite a dentro.
No ínicio, queremos sempre acabar na cama um do outro e de uma hora para a outra queremos olhar para os olhos um do outro, escrever poemas com as nossas conversas, saborear cada carinho na face, cada paragem de silêncio em que não sabemos o que falar e daí esperarmos até um dos dois perder a timidez.
A timidez que não deveria existir entre nós quando ainda estava na cama de 4 afogada na almofada gritando o teu nome com vontade que toda vizinhança ouvisse no meio do carnaval, tenho sempre vontade de gritar ao mundo o quão bom és na cama e a melhor parte é que és meu e de mais ninguém.
A tua voz na minha mente soava como as ondas do mar e o meu corpo deixava-se levar até instalar-se aquela paz que sempre transmites.
Com todo este entusiasmo preciso de pedir-te que não saias mais daqui porque apartir de agora existirá mais um travesseiro ao lado da minha cama para que tu possas ocupar.
E aqui nesta casa meio maluca possamos pintar uma vida juntos ou a purpurina pode fazer parte também.

Sem comentários

Enviar um comentário