sábado, 22 de abril de 2017

Nobody Else But You


Passaram-se anos e continuo avistar-te da janela do meu quarto.
Controlo as horas que sais de casa, quando chegas, qual o perfume que colocas todos dias e sabes que é o meu favorito, como eu tenho saudades do teu cheiro.
Respiro a dor de ter perdido quando eras só minha, sou um homem sem abrigo á procura do teu amor.
Estou a ficar velho com perplexo de saber que outros homens trocam olhares contigo, beijam-te sem pudor e tocam-te sem saber como deve ser.
Passaram-se anos, mas entre tantas mulheres tu és a que dá o verdadeiro significado ao amor que sinto por ti.
O medo, a impaciência e a vontade de ter-te está a comer-me vivo e neste meu ser já sobra muito pouco.
Como ficas lindas com esse vestido branco cheio de manchas dos teus cozinhados inesquecíveis, pode estar sol ou chuva, mas o teu cabelo loiro e esses olhos brilham para o além do que a natureza exige de ti.
Já decorei todos os teus movimentos, mas queria que cada tocasse e andasse por cima de mim.
Tendo em deixar a porta da minha casa aberta na esperança em que um dia entres por ela e digas que pertencemos um ao outro na saúde, na tristeza e na doença.
Eu quero que percebas que não posso estar com outras mulheres quando na verdade ainda luto todos os dias para resistir á saudade que sinto.
Volta para casa, volta para a minha paz, volta por meramente seres a minha alegria.

7 comentários: