sábado, 15 de agosto de 2015

Música vs Escrita




Decidi ouvir esta música e ao mesmo tempo escrever algo
Ele olhava para mim quando eu menos esperava, sorria, e contava piadas, ele sabia como comunicar com ele e muitas das vezes bastava um olhar.
O nosso olhar intimidava todos os que estavam á nossa volta, eles achavam que tinham o poder de proibir-nos de sermos o que queriamos ser.
Por vezes, no meio das nossas festanças ele sentindo-se envolvido no alcóol queria dizer-me o quanto era bonita,no quanto gostava de ver dançar, mas havia uma única coisa que não saía da sua mente, ele já me amava, mas faltava coragem.
Com o tempo fui aproximando dele pondo de lado todas as nossas diferenças, todos os preconceitos vestidos pela sociedade e deixei de sair á rua, de ver meus amigos e ate do meu quarto não saía mais.
Ficava horas e horas apreciando cada momento das nossas conversas, elogiando ele, contando as minhas histórias, dizendo o quanto amava a voz dele, todos esses momentos trouxeram sentimentos fortes queria estar com ele pessoalmente.
Queria muita coisa, mas não tinha coragem para dizer, não tinha a certeza, cada vez que o ouvia a dizer que gostava de mim ou amava tinha medo de ouvir era tudo muito bom de sentir.
Ele tinha passado a de ser uma fantasia para mim de manhã á noite, ele tirou tudo o que sentia numa conversa ao telemóvel dizendo eu gosto de ti e eu disse talvez devias ir dormir não deves estar bem e ele disse mas eu amo-te.
Por momentos, não consegui agarrar o telemóvel e fiquei espantada a olhar não sabia exactamente o que dizer ou sentir.
Podia tentar criar um homem perfeito, mas o ideal para mim estava do outro lado daquele telemóvel.
Certo dia, ele levou-me a casa e pelo caminho entre olhares e desejos por realizar havia algo que nos separava que era a timidez, mas ele agarrou-me pela cintura e entregou-se aos meus lábios, não queria deixar de beijá-lo, mas mal sentia a minha respiração, ele mexeu mesmo comigo.
Os dias iam passando e secretamente comecei apaixonar-me, queria que ele gostasse de mim tal como eu gostava dele.
Ele preenchia cada buraco de dor que outros tinham deixado.
Mas eu magoei-lhe também e mesmo assim amava-o tanto que não queria perdê-lo, não conseguia viver sem olhar e pegar os seus cabelos castanhos, ver o seu sorriso maroto, sentir o cheiro da sua pele e mesmo tocá-lo.
Desejei-o todos os dias que já estaria nos braços dele!
Não podia ser mais amiga dele, já havia demasiada intimidade.
A violência do nosso amor era tanta que era resolvida quando fazíamos amor, fazia-me esquecer tudo mesmo tudo, preferia que ele castigasse com amor que sabia bem fazê-lo.
Tudo era sensual nele até quando acordava, ninguém entenderá quando o descrevo dessa maneira, mas é tudo tão real.
Ele faz-me sentir outra pessoa que nunca fui porque ele vê o que os outros não vem nem vão poder ver mais porque agora sou dele. Só dele. Eu acredito em para sempre e com ele eu peço um para sempre.

nono

Sem comentários:

Enviar um comentário