sexta-feira, 8 de maio de 2015

Silencia-me, eu preciso



Fizeste deitar na tua cama, só para sentir-me tua ou talvez mulher.
Por mais que fales irás sempre silenciar com o teu beijo como se fosse o primeiro, aquele que involuntariamente mordes-me antes de deliciares os meus lábios sendo assim consegues fechar a minha mente de novas ideias.
Mesmo que comece amar-te não vou querer dizer-te porque tu silencias as minhas palavras com o teu corpo.
Sorrimos, lançamos gargalhadas, fazemos caretas somos dois amantes sortudos, os nossos corpos falam por si.
Os nossos movimentos que nem fazemos ideia como fomos ali chegar, talvez é vontade de amares o meu corpo, desejas tanto e sabes que eu preciso disso e de ti.
O facto de não pensarmos e acelerarmos o tempo, dá-nos tempo de apreciar cada pedaço um do outro, assim como as nossas imperfeições.
Acabamos por guardar isso em recordações nossas!
Molhamos o nosso corpo, discutimos a nossa realidade e massagamos a pele um dou outro sabendo que ela é a única que deixa-me tocar-te ainda mais fundo do que já fui alguma vez em toda minha vida..
Sinto como se vivessemos de uma orgia só nossa, nós os dois, eu e tu, eu amo...
De facto, o melhor momento é regressar ao meu lugar fresca e feliz, sabendo que és tu quando coloco a minha mão nos meus lábios e sentir-te.
Mais uma silenciaste-me com o teu cheiro, o único que justifica tudo isto entre nós.


nono

Sem comentários:

Enviar um comentário