quinta-feira, 23 de abril de 2015

És só mais uma fantasia - Episódio 8

Sempre fui assim, sempre procurei alcançar o amor incansavelmente, aquele beijo significou muito para mim talvez o ínicio de uma nova vida, de novas oportunidades de deixar de estar presa a tudo e mais alguma coisa.
O Valentim com todo entusiasmo perguntou:
- Gostaste do beijo? - perguntou com tanto entusiasmo
- Sim, tu beijas muito bem, mas temos de ir com calma, por favor!
- Só quero que te sintas bem Kinara, deves sentir este tipo de coisas.
De repente, estava a desfrutar daquele momento na praia quando recebi uma chamada inesperada da minha irmã Dinã: 
- O que se passa Dinã?- perguntou Kinara
- A mãe está muito mal no Hospital, tens de vir cá rápido ela precisa de ver-te.
O mundo de Kinara caiu por completo tudo que ela não precisava era ver a mãe de novo no Hospital, ela só tinha um amigo, confidente que poderia ajudar a acalmar naquele momento, ela telefono para ele, mas mesmo assim nao havia jeito de concertar o que ela sentia e que não podia sequer exprimir.
Kinara não sabia o porquê, mas apenas tinha que lá estar.
A despedida entre ela e o Valentim não foi a melhor, mas não havia como permanecer ali com uma notícia daquelas, ela entrou num Táxi e foi a correr.
Assim que ela chega aos braços da mãe quer chorar, mas não pode, é tão proibido e não gostaria nada de demonstrar que a mãe seria culpada de tudo quando realmente não era. 
A mãe de Kinara chamava-se Dorian era mulher doente, mas para além de doente era doce para as pessoas, calmas e explosiva, alegre e triste, solidária e mesmo que outros fizessem mal o coração dela era sempre fazer o bem, é por isso que muitos aproveitam-se disso.
Mesmo deitada na cama daquele hospital ainda sentia-se a lucidez, as brincadeiras dela e aquela voz calma de quem diz que quer voltar para casa, mas só precisa de descansar.
Entretanto, os dias foram passando e fomos procurando melhoria, mas tudo o que Kinara sentia era raiva e não queria em momento nenhum que alguém chateasse ou mesmo fizesse sentir pior do que já estava, mas era tão frustante que ela já gritava com os colegas da Faculdade e trabalho, havia uma coisa que tinha deixado de existir e era o respeito pelos momentos e que não eram todos iguais.
Com o apoio de Valentim tudo tornava-se fácil, ajudava com as compras para a mãe, tarefas em casa, na loja e mesmo fazer compania, não há nada tão bom de sentir um carinho das pessoas independentemente de quem seja, um abraço ou uma brincadeira tola, sónpara desanuviar.
Kinara precisava de ver melhoras, precisava de ser forte, lutadora e responsável, convertar coisas para não perder outras.
Determinação é o dever que ela deve ter


                                                      nono

Sem comentários:

Enviar um comentário