terça-feira, 21 de abril de 2015

És só mais uma fantasia - 7




Assim que saí da galeria com o Valentim só tinha em mente irmos para um sítio calmo com o som de ondas, areia quente nos pés visto que os dias começavam a ficar loucos, apenas queria ir á praia.
Sentia uma paz que nem o Valentim sabia descodificar aquilo mesmo eu tendo os olhos vidrados de lágrimas, sentei na areia e o Valentim abraçou-me e perguntou- me o que passava :
- Kinara vieste o caminho todo calada, o que tens?
- Valentim... Eu amo um ser subconsciente, ele não existe ou se existe não deveria existir, ele quer estar comigo quando apatece-lhe, ele beija-me e desabafa comigo, ele faz-me gozar a vida de outro jeito, mas no final de tudo isto não é amor nem nada, é só mais uma fantasia que eu criei e acostumei a viver com ela. 
- Parece de loucos, mas compreensível. Tu pareces ser uma mulher que sabe o que quer, és atraente e inteligente, estás a finalizar os teus estudos, trabalhas para sustentar, pintas quadros entre outras coisas que possas fazer.
O que te falta Kinara?
- Sabes amigo eu acho que vivo presa a este subconsciente porque na realidade não tenho nada disso, na realidade estão comigo para matar um prazer, para prometerem e não cumprirem, para amarem um dia e perderem isso num dia, ou fazerem mudar a minha vida e irem embora porque não pertencem aqui.
- Isso custa-te não é? - perguntou com um tom de quem tem pena
- Sim e muito, mostro ser forte que gosto das coisas que faço e agarro-me com fé, mas no final de tudo não sinto-me muito preenchida, parece que vivo ou quero apenas respirar o amor, o amor que não existe! - exclamei com todas as minhas forças.
- Agarra a minha mão Kinara, vamos ali!
- Aonde?
- Anda, deixa de complicar!
Levou a beira da água e perguntou:
- Sentes algo?
- Óbvio, sinto a água fria nos meus pés e daqui a pouco não os sinto mais.
- É bom sentires isso Kinara e sabes que outras coisas consegues sentir?
- A brisa, o cheiro do mar...
- Podes sentir isto!
O Valentim agarrou o meu queixo e tocou nos meus lábios de forma suave, ele beijou-me e eu senti o beijo assim como senti uma adrenalina a descer no meu corpo logo aquele água fria já não fazia diferença.
É raro um beijo assim...

Continua...                                                        

nono

Sem comentários:

Enviar um comentário